Vouchers de alimentação distribuídos pela Vale proliferam crimes em Macacos


Os vouchers de alimentação distribuídos pela Vale a moradores de Macacos, distrito de Nova Lima, na região metropolitana, impactados pela evacuação ocorrida em fevereiro devido ao risco de rompimento da barragem B3/ B4, da mina Mar Azul, estariam aumentando a ocorrência de crimes na comunidade, segundo a Polícia Civil.

Investigações da corporação mostram que há indícios que os tíquetes – que se tornaram uma nova moeda no local após o abandono de turistas e a falta do dinheiro convencional – estão sendo utilizados em troca de drogas e prostituição.

“A entrega desses vouchers e a utilização pela sociedade têm gerado, pelo que a gente percebe, uma instabilidade na região, inclusive com a proliferação de crimes. A investigação aponta até que ponto esses vouchers estão sendo desviados do sentido da sua função original de alimentação e sendo trocados por substâncias. A investigação ainda é sigilosa, mas caminha nesse sentido, para identificar outras pessoas e outras práticas criminosas”, afirma o delegado Murillo Ribeiro de Lima, da 3ª Delegacia de Polícia Civil de Nova Lima, que disse que a situação criou um “clima de caos social” na comunidade.

O presidente da associação de moradores de Macacos, Raul Franco, defende a realização de fiscalização para evitar que esse tipo de caso invalide o direito aos vouchers, bem empregados pela maioria das pessoas.

“Existe sempre uma minoria que acaba tentando levar algum tipo de vantagem. Esse voucher está, sim, ajudando um grande número de pessoas que realmente precisa, que estavam entrando em um estado de passar fome. Somos um distrito turístico que perdeu 100% do movimento, e os tíquetes também ajudam os comerciantes do setor gastronômico, evitando que eles fechem as portas”, pontua.

Nesta segunda-feira (13), um homem suspeito de fingir que morava em Macacos para receber benefícios indevidamente foi preso justamente no momento em que estava na fila para ganhar os vouchers.

A Vale não comentou a situação apontada pela Polícia Civil. Segundo a mineradora, a distribuição dos vouchers de alimentação em Macacos ocorre desde março e, atualmente, mais de 3 mil pessoas recebem o benefício. Os tíquetes de alimentação têm valor total de R$ 40 diários por pessoa, para almoço e jantar, e podem ser usados em 48 estabelecimentos do distrito.

No total, 253 pessoas estão desalojadas em Macacos. A barragem B3/B4 permanece no nível 3 de alerta do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM), que indica risco iminente de rompimento. A mineradora reiterou seu “compromisso com a comunidade de Macacos até que a situação seja completamente regularizada”.

Fonte do link

COMPARTILHAR

Comentários no Facebook