Thammy Miranda para Pai 2020



O fato de a Natura ter decidido chamar Thammy Miranda -homem trans- para ser garoto propaganda do Dia dos Pais significa que o mercado já precificou o risco do escândalo que provocaria. Estratégia conhecida, que nos lembra as campanhas da Benetton nos anos 1980 e 1990 fotografadas por Oliveiro Toscani. Em plena difusão da ideia de “peste gay” -a fake news da época- Toscani retrata um jovem que morria em decorrência das complicações do vírus HIV como Jesus.

O mercado, que tem como único e exclusivo objetivo vender mais, acaba por revelar o tamanho da brecha pelo qual o novo pode passar, sem arranhar demais a imagem do produto. Em 2018 o Boticário arcou com 17 mil “dislikes” ao colocar uma família negra em seu anúncio. Foi acusada de falta de representatividade num país de maioria negra.

O cálculo matemático fornecido por empresas especializadas em pesquisa de consumo permite apostar -há sempre um risco, claro- em uma tendência que revela e, ao mesmo tempo, antecipa algo. Sim, já podemos pensar em um homem trans para encabeçar uma campanha sobre paternidade, pois há espaço para tal, ou usando termo da filósofa Judith Butler, esse gênero se tornou um tanto mais inteligível. O mérito da campanha é estimular essa inteligibilidade.
Leia mais (08/03/2020 – 23h15)

Fonte do link