Tensões entre China e EUA podem marcar o futuro do clima em Glasgow



A crise climática ganha impulso global, mas será impossível agir sem dois países, China e Estados Unidos, que juntos respondem por mais da metade das emissões mundiais e cujos governos não se dão bem.

Na véspera da cúpula COP-26 em Glasgow, especialistas acreditam que a cooperação entre os Estados Unidos e a China pode ser o catalisador para um acordo histórico sobre a mudança climática.

Mas também estimam que sua relação glacial não é necessariamente um obstáculo intransponível, já que a competição entre os dois pode impulsionar o combate ao aquecimento global.

Ambas as nações intensificaram seus esforços para conter as emissões, embora analistas digam que essas ações têm sido muito modestas para que a meta da ONU de manter o aumento da temperatura do planeta em 1,5 °C seja atingida, para evitar os piores efeitos da mudança climática.
Leia mais (10/12/2021 – 10h08)

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários