'Stardust', filme sobre David Bowie, é primo pobre de 'Rocketman'



O britânico David Bowie, morto há cinco anos, ficou conhecido por diversos predicados. Além de sua musicalidade eclética e facilidade de compor grandes hits, tinha uma capacidade camaleônica de autorreinvenção e uma elegância meio extraterrestre que o transformou num ícone da moda.

Também foi um ator competente e deixou uma obra cinematográfica respeitável, com títulos como “Fome de Viver”, de 1983, “Labirinto”, de 1986, “A Última Tentação de Cristo”, de 1988, “Twin Peaks: Os Últimos Dias de Laura Palmer”, de 1992, “Basquiat”, de 1996, “O Grande Truque”, de 2006, além de participações em séries tão díspares quanto “Extras”, de Ricky Gervais, e “Bob Esponja”. Sem falar em seus muitos videoclipes, sempre bem produzidos.

Merecia uma cinebiografia à altura, talvez pelo caminho nada convencional, como a que Bob Dylan ganhou em vida do diretor americano Todd Haynes, em 2007, “Não Estou Lá”, em que diversos artistas representavam o músico em várias fases da vida.
Leia mais (05/30/2021 – 16h00)

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários