‘Se o serviço é de graça, você é o produto’; não mais, Zuckerberg

Quando falamos de exploração empresarial, geralmente visualizamos cadeias de moda, mineradoras e atividades que, quando abusivas, são explícitas aos olhos, como trabalho escravo ou ataques ao ambiente. Agora temos que ter ciência da exploração indiscriminada de nossos dados pessoais.

Pode parecer um conceito abstrato e distante, mas não é. É preocupantemente íntimo. Aquela busca no Google, a olhadinha no Instagram, o anúncio clicado no YouTube ou a curtida em um perfil são informações que atualmente valem mais que ouro.

Muitas pessoas talvez digam “e daí” ou “tudo bem”. Mas não é tão simples ou inofensivo como parece. Nossa vida é diretamente impactada pelo nosso “perfil online”: Qual será seu crédito pré-aprovado, se terá acesso a auxílios do governo, o preço do plano de saúde, qual candidato vai comprar sua atenção, se você vai ser parado pela polícia.

O famoso “sistema” ou “algoritmo” é resultado de milhares de dados pessoais cruzados e compactados.
Leia mais (04/15/2021 – 10h00)

Fonte do link