Saiba quais são os protocolos sanitários em BH para funcionamento das escolas


Após quase 13 meses interrompidas por conta da pandemia da Covid-19, as escolas de Belo Horizonte iniciam um retorno gradativo a partir da próxima semana. Neste primeiro momento, só estão permitidas atividades presenciais para crianças de até cinco anos e oito meses, com retorno já na próxima segunda-feira (26). Ao todo, a capital mineira conta com quase 107.000 alunos nessa faixa etária matriculados nas instituições de ensino.

Mesmo sem detalhar como será realizado o escalonamento, a secretária municipal de Educação, Ângela Dalben, informou que as unidades devem implementar um revezamento de aulas, com duração máxima de até 4h30, durante os dias da semana. Para evitar aglomerações, as turmas também serão divididas em subgrupos, chamados de bolhas ou células, com até sete crianças. O objetivo é que diferentes grupos não interajam entre si.

“Não teremos um retorno com cinco dias e todas as crianças indo permanentemente. Vamos ter que lidar com agrupamento de crianças, com a distância de dois metros entre cada uma, para que elas fiquem nas salas em bolhas ou células. Isso significa que o professor e as crianças não vão ter interações com outras células, então na medida do possível ficarão em isolamento entre si”, disse.

Os protocolos sanitários para o retorno já foram divulgados pela prefeitura no ano passado e devem passar por alguns ajustes. “Cada rede vai dar suas orientações específicas às instituições, sempre inspiradas e fundamentadas no protocolo da cidade”, explicou a secretária. Porém, cada unidade pode adaptar as regras conforme a realidade local. Caso ocorra qualquer suspeita entre alunos, docente ou membro da família, a turma terá as atividades suspensas.

Veja abaixo os principais pontos do protocolo definido pela prefeitura:

Entrada e permanência dos alunos

  • Tempo máximo de permanência da criança na escola será de 4h30
  • Fluxos de deslocamento fracionado, para evitar aglomerações e filas nos portões
  • Proibida a entrada de adultos acompanhando os alunos
  • Escalonamento das aulas por dia da semana

Saída

  • Cada sala de aula deve organizar a saída por fileira de assento, para evitar aglomerações nos corredores

Higienização e cuidados para evitar a transmissão

  • Instalação de pias ou totens para a higienização das mãos na entrada das escolas, sendo uma unidade a cada 15 alunos
  • Aferição da temperatura na portaria das unidades
  • Uso obrigatório de máscaras de proteção durante todo o tempo e orientação para que o equipamento seja colocado pelo aluno imediatamente após vestir o uniforme da escola
  • Troca da máscara a cada quatro horas
  • Reforço da higienização de todos os ambientes

Não é exigido o equipamento de proteção para:

  • Crianças com idade inferior a 2 anos ou que fazem uso de chupeta

Salas de aula

  • Uso de 50% da capacidade, com um distanciamento mínimo de 2m entre alunos e carteiras e posições demarcadas no piso
  • Distância de 2m para o professor a partir do quatro e outros 2m até a primeira carteira
  • Intervalo de 15 minutos entre cada aula para que o grupamento de estudantes possa beber água, ir ao sanitário e lavar as mãos, sem contato com outros grupos

Formação de turmas

  • As turmas serão divididas em subgrupos, chamados de bolhas ou células, com horários e turnos de presença na escola diferentes
  • Cada bolha deve contar com até sete crianças e um professor específico para cada uma
  • Não será permitida a interação na escola entre bolhas diferentes
  • Divisão dos alunos levará em conta idade, situação de trabalho das famílias, maior ou menor acesso ao ensino remoto, vulnerabilidade física e possibilidade de frequência em dado horário
  • Caso ocorra uma suspeita de Covid-19 entre qualquer aluno ou professor da bolha, as aulas desse grupo serão suspensas até que se descarte a possibilidade de transmissão

Rotinas de atividades escolares

  • Garantir alternativas de atividades não presenciais para alunos do grupo de risco ou que não se sintam seguro para retornar às escolas
  • Priorização de material audiovisual, evitando o manuseio de objetos pelos alunos
  • Orientação para que o material escolar usado em casa seja diferente daquele que será na escola

Alimentação

  • Priorizar a entrega das refeições para o aluno em sala de aula
  • Recomendação de que a refeição seja a última atividade da criança na escola
  • Evitar conversas durante a alimentação
  • Oferecer talheres higienizado em embalagens individuais de papel
  • Lanchonetes e restaurantes das escolas devem seguir protocolos específicos

Professores e demais funcionários

  • Pessoas do grupo de risco não podem ser convocadas para as aulas presenciais
  • Recomendação de que a carga horária seja organizada para que o profissional compareça menos dias da semana à escola
  • Profissionais que necessitam aproximar de crianças com menos de 2 anos devem usar face shield e máscara
  • Quem tiver sintoma de Covid-19 deve ser afastado
  • Protocolos específicos para profissionais que atuam na cozinha

LEIA MAIS
Retorno das aulas presenciais não é consenso e professores ameaçam greve em BH

Fonte do link