Restrição de viagens de cientistas do Brasil não teve repercussão à altura



Boletim especial sobre minha mesa: “A secretaria da educação, Betsy DeVos, anunciou que de agora em diante, cada departamento das universidades nos Estados Unidos somente poderá enviar um pesquisador para cada reunião ou congresso científico, independentemente da fonte do financiamento para a viagem. Dos quarenta pesquisadores chefes de laboratórios do Instituto do Cérebro da Universidade Vanderbilt, cada um com sua especialidade, apenas um poderá participar da próxima reunião anual da Sociedade de Neurociências -que, por isso, agora deixa de reunir mais de 20 mil neurocientistas dos vários cantos dos EUA; bastam uns cem, mais é desperdício. Os estrangeiros estarão lá, firmes e fortes, apresentando suas descobertas mais recentes, trocando conhecimento, impressões, conselhos, dificuldades e sucessos; apenas os pesquisadores estadunidenses é que estarão limitados a um por departamento, e portanto por universidade do país. Requisições para um segundo cientista viajante somente serão consideradas em circunstâncias extraordinárias. Ah, sim: o pedido de autorização para viagem deve ser feito por escrito à Secretaria de Educação ao menos 30 dias antes do evento; o governo se reserva o direito de negar ou conceder a autorização até a véspera da viagem.” 
Leia mais (01/28/2020 – 02h00)

Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 × cinco =