Publicação de estudos sobre epidemiologia alavanca posição da Unisul no RUF

0
5
Publicação de estudos sobre epidemiologia alavanca posição da Unisul no RUF
Gostou do post?



Publicidade


Cinco estudos de epidemiologia turbinaram a posição da Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina) no RUF 2018.

A instituição chegou ao primeiro lugar no componente da fórmula do ranking que avalia a quantidade de citações em estudos acadêmicos. Em 2017, ela era a 99ª.

Em um ano, a Unisul também subiu 33 posições na classificação geral de universidades, passando de 116ª para 83ª.

A série de estudos foi publicada entre setembro de 2014 e dezembro de 2015 na Lancet, uma das mais prestigiosas revistas médicas. Além da Unisul, constam como coautoras brasileiras sete instituições, incluindo USP (Universidade de São Paulo) e UnB (Universidade de Brasília).

O mais influente dos artigos (com mais de 2.300 citações) foi assinado por 712 autores, de 496 instituições.

Os trabalhos são da área chamada estudo de carga global de doença (GBD, na sigla em inglês), que mede o impacto de doenças no mundo todo.

A pesquisa publicada pela Unisul analisa tendências mundiais de expectativa de vida e destaca a importância de políticas para reduzir mortalidade por doenças cardiovasculares e câncer em regiões ricas. Aborda ainda mortalidade infantil por diarreia e infecções respiratórias em regiões pobres.

“Houve melhora na mortalidade por doenças infecciosas, mas as doenças crônicas ainda demandam políticas públicas específicas”, explica Jefferson Luiz Traebert, 53, coautor dos trabalhos e professor do campus de Tubarão (a 130 km de Florianópolis) da Unisul.

Fundada em 1964 e encampada como universidade em 1989, a instituição destina 3% do orçamento a pesquisa.

“No Brasil, a falta de financiamento é um fator que pesa muito. Nós perdemos reuniões na Universidade de Washington, por exemplo, porque não conseguimos recursos”, diz Traebert.

98
posições foi quanto a Unisul subiu no componente da fórmula do RUF que avalia quantidade de citações em estudos acadêmicos

83º
lugar é a classificação geral da universidade catarinense, que subiu 33 casas no ranking entre 2017 e 2018

Fonte do link

COMPARTILHAR