Professor da UFMG é preso acusado de agredir mulher com cabeçada no nariz em BH


Um professor de Educação Física da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) de 48 anos foi preso suspeito de agredir a sua ex-companheira com uma cabeçada no nariz na noite desse domingo (26) no bairro Engenho Nogueira, região da Pampulha em Belo Horizonte. Com a agressão, ela quebrou o nariz.

Segundo a vítima, Natália Bello, de 29 anos, as brigas eram constantes, devido a supostas traições dele. “Eram fatos recorrentes. Ele chegava ás 6h, várias vezes. Dizia que ia ao médico atestar crise depressiva. Ia lá no sábado á noite, e voltava só no domingo, por volta das 19h”. disse.

O casal acabou se separando, mas ela o aceitou de volta. “Ele levava a moça lá (na UFMG) e todos sabiam que eles tinham um relacionamento. Ele estava lá com a atual e eu nem sabia que eu era a ex. Esse foi um fato que nos separou. Mas após histórias de que ele fez errado, mas continuou com ela por supostas ameaças dela, eu aceitei ele de volta. Aí ele foi morar comigo novamente”, conta.

“Mas então, eu saí de casa por conta de traições e mentiras. Eu resolvi voltar para a casa da minha mãe. Eu ia deixar ele na kitnet com os meus móveis, para então mudar a titularidade do contrato, passando para o nome dele. Eu resolvi sair porque ele não tinha para onde ir”, disse.

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Gostaria que todos vocês ficassem a par do que o Prof, Dr Márcio Mário Vieira acaba de fazer comigo. Vivemos um relacionamento abusivo, insultos, traições e agora agressão. O então prócere doutor, de boa aparência, sempre se vitimizou e sempre invertia a situação para o lado dele. Eis que aqui estão as provas!

Uma publicação compartilhada por Natalia Nakamura Bello (@nakatobello) em 26 de Jan, 2020 às 5:54 PST

Agressão

De acordo com Natália, que também é formada em Educação Física e é professora de Ginástica Artística, a situação piorou quando ela decidiu que ele não ficasse mais na kitnet. “Deixei ele no apartamento, e estávamos fazendo essa troca de titularidade. Comecei a pegar as minhas roupas no sábado e ia terminar no domingo. Surgiu outro fato, então eu já não queria que ele ficasse usufruindo dos meus móveis, e decidi que ele deveria sair”.

No domingo, a professora foi comunicar ao ex-companheiro que era para ele sair do local. Eu cheguei lá e pedi para ele sair. Mas ele começou a me agredir com palavras de baixo calão. Eu disse que ele era uma péssima pessoa e que as pessoas iriam saber sobre ele. ele veio para cima de mim tentando me agredir com a porta do banheiro, só que não conseguiu”, afirmou.

“Ele veio para cima de mim muito agressivo. Tirou o celular da minha mão e disse que iria jogá-lo do 3º andar. Eu o puxei pela camisa, ele se virou contra mim e me deu uma cabeçada muito forte no nariz”, relatou.

Segundo a vítima, ela teve que pedir ajuda para um vizinho. “Eu corri para um vizinho para pedir socorro e para que ele pudesse chamar a polícia para mim. O vizinho me acolheu até a chegada dos meus familiares e da polícia”, concluiu.

Versão

De acordo com o boletim de ocorrência, o suspeito contou aos policiais que entrou em seu apartamento por volta das 22h, e Natália entrou repentinamente no imóvel lhe ofendendo com palavras de baixo calão.

Logo em seguida, ela teria dito que pegaria as roupas dele e iria jogá-las pela janela. Ao tentar impedí-la, ela o agrediu, puxando sua camida, arranhou seu pescoço e o agarrou pelas costas, momento em que ele teria se desequilibrado e atingiu o nariz de Natália com a sua cabeça.

Ainda na noite desse domingo, os dois foram levados para a Delegacia de Plantão de Atendimento à Mulher (Demid), no Barro Preto, região Centro-Sul de BH. Já nesta segunda-feira (27), o suposto agressor foi encaminhado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Contagem, na região metropolitana, de acordo com a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

A reportagem de O TEMPO pediu um posicionamento da UFMG sobre o caso e aguarda uma resposta.



Fonte do link