PRF retoma uso de radares móveis após determinação da Justiça


Motoristas que insistem em pisar fundo no acelerador devem ficar em alerta, principalmente aqueles que vão pegar as estradas federais para as festas de fim de ano. A partir desta segunda-feira (23), as regionais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de todo país retomam as ações de fiscalização com o uso dos radares portáteis e móveis.

O uso dos equipamentos estava suspenso desde 15 de agosto, pelo governo federal, mas em 11 de dezembro o juiz da 1ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, Marcelo Gentil Monteiro, determinou a volta da utilização dos aparelhos em um prazo de 72 horas. Esse prazo foi prorrogado e se esgotou nesta segunda-feira, para todas as regionais.

Em Minas, os 25 radares móveis voltaram a aplicar multas desde a última sexta-feira, dia 20.

De acordo com o Departamento de Polícia Rodoviária Federal (DPRF), de Brasília, o uso dos aparelhos não é obrigatório, mas eles são mais uma ferramenta da PRF para barrar o excesso de velocidade dos veículos em trechos de estradas considerados críticos. 

No país, são 500 pontos críticos, divididos em frações de 10 quilômetros que somam um total de 5 mil quilômetros onde os motoristas mais abusam da velocidade. 

A PRF de Minas informou não ter levantamento dos pontos críticos no estado. 

De acordo com DPRF, como os radares são portáteis e móveis, não existe um número específico de equipamentos utilizados em rodovias específicas.

Existe, sim, número de equipamentos por Superintendência (estado). 

Os locais onde os equipamentos são empregados dependerão do planejamento de cada superintendência (estado). 

As peculiaridades de cada local é quem ditarão os dias, horas e locais para emprego dos mesmos.

Acidentes

De 15 de agosto deste ano, até 30 de novembro, período de proibição dos radares móveis, foram registrados, em todo país 20.600 acidentes, quando no mesmo período do ano passado, foram 19.286 acidentes.

Especialistas acreditam que esse aumento deve-se à retirada dos radares móveis das rodovias. No entanto, estudo preliminar da PRF apontam que o excesso de velocidade não está entre as cinco principais causas, como ultrapassagem em local proibido e falta de atenção.

Fonte do link