Poeme-se, revolucione-se, livros transformam mentes – Por Isa de Oliveira – #temporadadetextos

Já dizia Mafalda “Viver sem ler é perigoso. Te obriga a crer no que te dizem.”

Fonte: Vexels
Isa de Oliveira (@corujadasletras)

Não é preciso ser poeta ou poetisa para fazer da sua vida versos poéticos, tornar mais leve a dura realidade. Não é preciso ser político ou ativista para construir reflexões capazes de querer mudar o mundo. Quino (in memorian), cartunista recém falecido neste mês de outubro, por meio da questionadora e icônica personagem de suas tiras argentinas, Mafalda, já trazia uma importante reflexão: “Viver sem ler é perigoso. Te obriga a crer no que te dizem”.

A verdadeira mudança está na mente. Quando adquirimos consciência de que, o que parece ser certo nunca foi mesmo, verdadeiro ou condizente, com o que esperamos de um mundo ideal, principalmente, quando somos instados a questionar nosso próprio posicionamento. Somos, culturalmente, imbuídos, de diversos preconceitos, advindos de contextos já pré-consolidados a nossa inserção ao meio social. E para derrubar essas constituições é preciso começar por si, mas como? A resposta está na leitura. O que você lê é o que você pensa, age e profere.

Livros são ferramentas capazes de cutucar a nossa consciência, de nos despertar para avaliarmos o que se passa ao nosso redor. Quando compartilhamos as leituras com outras mentes, abrimos a nossa para ultrapassar limites já impostos, ver a nossa realidade para além do nosso próprio umbigo. Isso é revolucionário, quando a mudança começa a partir do nosso olhar, a mobilização para agir diferente ante a situações injustas é praticamente imediata.

Livros provocam nossa razão, por isso são os melhores conselheiros. Minam nossas dúvidas e o bom senso, instigam-nos a agir com razoabilidade e não com ímpetos eufóricos de sentimentalismos capazes de redirecionar até mesmo o mais ético caráter, a cair em falácias.

Se não buscamos nos livros as melhores fontes informativas que nos ajudam a refletir e a compreender a nossa realidade, corremos o risco de acreditar em qualquer coisa que nos seja dita como verdade. E verdades sem argumentos, sem que possamos refutar, nos aliena e impele a termos uma visão fechada sobre determinados assuntos.

Antes de acreditar naquilo que te dizem, procure ler, se informar em fontes confiáveis, a leitura é o caminho mais certo. Onde encontrar espaços para discutir? Não há melhor lugar que a escola e as bibliotecas. Espaços abertos à discussão são espaços de pessoas com mentes abertas. Livros abrem possibilidades e mentes.


* Isa de Oliveira é doutoranda em Estudos de Linguagens pelo CEFET-MG, pesquisadora, poeta, resenhista e crítica literária, autora de “Intermitências” (Crivo Editorial, 2010), contagense e bookaholic que escreve para entender o mundo e se fazer entendida quando possível.


SE VOCÊ GOSTOU DESSE TEXTO INTERAJA COMENTANDO NAS REDES SOCIAIS DO AUTOR OU LOGO ABAIXO NESSE SITE.

PARA LER MAIS UM TEXTO DESSA TEMPORADA CLIQUE NO LINK ABAIXO:

A Indústria Cultural e a Semiformação dos Indivíduos – Por Marlon Nunes – #temporadadetextos