Pandemia deixa à míngua cidades famosas pelo turismo religioso



Pelo segundo ano consecutivo sem realização presencial de eventos devido à pandemia, cidades famosas pelo turismo religioso registram queda na arrecadação, falência de comerciantes e aumento de moradores de rua.

Em Juazeiro do Norte, no Ceará, durante a Semana Santa, mais de 200 mil romeiros visitam o município para render homenagens ao padre Cícero e pagar promessas.

Só na colina do Horto, maior ponto turístico da cidade, onde está a estátua do religioso, há circulação de aproximadamente 2 milhões de pessoas por ano. Sem a entrada dos romeiros, o município cearense, que vive essencialmente do comércio, sente os efeitos em diversos setores.

No entorno da área do Horto, mais de 700 famílias que dependem do comércio para sobreviver estão paradas. As lojas de artigos religiosos estão fechadas. No centro da cidade, não há ninguém nas várias pousadas que normalmente ficam lotadas.
Leia mais (04/01/2021 – 18h00)

Fonte do link