Oscar 2020: Magazine analisa as categorias e aponta quais são os preferidos


É impossível prever com exatidão quais são os filmes, atores e diretores que vão levar para a casa a estatueta mais disputada da indústria cinematográfica. Afinal, a celebração do Oscar, que será realizada hoje, a partir das 21h (horário de Brasília) em Los Angeles, encerrou suas votações apenas na última terça-feira. O evento também é o ápice da chamada “temporada de premiações”, que começa em novembro e tem eventos importantes como o Globo de Ouro no calendário. São justamente esses outros prêmios que podem dar uma pista de quem fatura as principais categorias de hoje. 

Para descobrir quem são os favoritos, o Magazine analisou todos os resultados da atual temporada de premiações, e atribuiu um ponto para cada troféu. As cerimônias dos sindicatos, como o Producers Guild of America (PGA) Awards, o Sindicato dos Produtores da América, foram escolhidas como critério de desempate. O motivo é que essas entidades também têm um grande número de membros que participam da votação da Academia, que decide o Oscar. 

É claro que pode haver surpresa. Mas o levantamento mostra quem chega com mais moral na reta final da principal premiação do cinema mundial. Agora é pegar a pipoca e torcer pelo seu filme preferido. Que vença o melhor! 

A cerimônia do Oscar será realizada hoje, a partir das 21h. O TEMPO trará uma cobertura especial e em tempo real da premiação, incluindo o tapete vermelho, a partir das 20h. 

Acompanhe também, minuto a minuto, a transmissão em nossas redes sociais.

Documentário

Representante brasileiro no Oscar, “Democracia em Vertigem” passou em branco na temporada de premiações. A não ser que ocorra uma surpresa muito grande, dificilmente será dessa vez que a estatueta virá para o Brasil. O prêmio da categoria deverá ficar com “American Factory”, bancado pela Higher Ground, produtora do casal Barack e Michelle Obama, e que conta a história de uma fábrica no Estado norte-americano de Ohio que é comprada por uma indústria chinesa. 

Indicados e prêmios

“American Factory”

Prêmios: Gotham Independent Film Awards; Los Angeles Film Critics Association; Directors Guild of America Award

“The Cave”

“Democracia em Vertigem”

“For Sama”

Prêmios: National Board of Review; British Academy Film Awards (Bafta)

“Honeyland”

Prêmio: National Society of Film Critics Awards

Filme internacional

A vida de “Parasita” ficou difícil na disputa pelo melhor filme, mas o sucesso sul-coreano não deverá sair de mãos abanando do Oscar. O prêmio de melhor filme internacional (que era chamado até o ano passado de melhor filme estrangeiro) provavelmente ficará com o longa de Bong Joon-ho, que levou outros quatro troféus em categorias semelhantes nas outras competições, como o Globo de Ouro e o Bafta. 

Indicados

“Les Misérables” (França)

“Honeyland” (Macedônia do Norte)

Prêmio: National Society of Film Critics Awards

“Corpus Christi” (Polônia) 

“Parasita” (Coreia do Sul)

Prêmios: Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; British Academy Film Awards; National Board of Review

“Dor e Glória” (Espanha)

Prêmio: Los Angeles Film Critics Association

Atriz

Não teve para ninguém. Renée Zellweger faturou praticamente tudo que concorreu, com sua recriação de Judy Garland em “Judy”. Ao mostrar o lado decadente de uma ex-estrela mirim – Judy viveu Dorothy em “O Mágico de Oz” – e as dificuldades com abuso de drogas, o filme escancara a relação complicada que Hollywood tem com diversos astros que ficaram pelo caminho, esquecidos após terem sido usados pela máquina cinematográfica. Como a Academia também gosta bastante de uma autocrítica, dificilmente o Oscar não ficará com Renée Zellweger. 

Indicadas

Charlize Theron (“O Escândalo”) 

Cynthia Erivo (“Harriet”)

Renée Zellweger (“Judy”)

Prêmios: Hollywood Film Awards; National Board of Review; Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Screen Actors Guild (SAG) Awards; British Academy Film Awards.

Saoirse Ronan (“Adoráveis Mulheres”) 

Scarlett Johansson (“História de um Casamento)

Prêmio: Satellite Awards

Atriz coadjuvante

A premiação de melhor atriz coadjuvante tem repetido sua contraparte masculina nesta temporada. Laura Dern tem faturado tudo como a advogada especializada em separações de casais Nora Fanshaw, de “História de um Casamento”. Não é para menos. Apesar de dividir o filme com o ascendente Adam Driver e com a superestrela Scarlett Johansson, Laura toma a cena com sua performance, que deverá garantir a ela o seu primeiro Oscar, após já ter sido indicada outras duas vezes. 

Indicadas

Florence Pugh (“Adoráveis Mulheres”)

Kathy Bates (“O Caso Richard Jewell”)

Prêmio: National Board of Review

Laura Dern (“História de Um Casamento”)

Prêmios: Hollywood Film Awards; New York Film Critics Circle Awards; National Society of Film Critics Awards; Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Screen Actors Guild (SAG) Awards; British Academy Film Awards (Bafta)

Margot Robbie (“O Escândalo”)

Scarlett Johansson (“Jojo Rabbit”) 

Diretor

Dos cinco diretores indicados, dois passaram pela temporada de premiações de mãos abanando: Martin Scosese (“O Irlandês”) e Todd Phillips (“Coringa”). Quentin Tarantino (“Era Uma Vez em… Hollywood”) escapou por pouco de passar em branco, já que faturou um troféu do National Board of Review, a associação de críticos de cinema dos EUA. Apesar de Bong Joon-ho (“Parasita”) ter tido seu mérito reconhecido, foi mesmo Sam Mendes (“1917”) que liderou entre os cineastas, com quatro premiações, incluindo a Directors Guild of America, o sindicato dos diretores americanos, que também tem membros votantes na Academia.

Indicados

Bong Joon-ho (“Parasita”)

Prêmios: Hollywood Film Awards; Los Angeles Film Critics Association; Critics’ Choice Movie Awards

Martin Scorsese (“O Irlandês”) 

Quentin Tarantino (“Era Uma Vez em… Hollywood”)

Prêmio: National Board of Review

Sam Mendes (“1917”)

Prêmios: Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Directors Guild of America (DGA) Award; British Academy Film Awards 

Todd Phillips (“Coringa”)

Ator

As premiações se dividiram quando o assunto foi melhor ator. O decadente diretor de cinema Salvador Mallo, vivido por Antonio Banderas em “Dor e Glória” foi um rival à altura para o impressionante Coringa interpretado por Joaquin Phoenix. Não por acaso, cada um dos dois já levou quatro troféus para casa até agora. A vantagem fica com Phoenix pelo prêmio do Screen Actors Guild, o sindicato dos atores, mas não será surpresa se Banderas finalmente receber um Oscar para chamar de seu. 

Indicados

Adam Driver (“História de Um Casamento”)

Prêmio: Gotham Independent Film Awards 2019

Antonio Banderas (“Dor e Glória”)

Prêmios: Hollywood Film Awards; New York Film Critics Circle Awards; Los Angeles Film Critics Association; National Society of Film Critics Awards

Joaquin Phoenix (“Coringa”)

Prêmios: Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Screen Actors Guild (SAG) Awards (prêmio de desempate); British Academy Film Awards; 

Jonathan Pryce (“Dois Papas” ) 

Leonardo DiCaprio (“Era Uma Vez em… Hollywood”) 

Ator coadjuvante

É curioso como são as coisas na indústria cinematográfica. Enquanto Leonardo DiCaprio passou batido com o seu Rick Dalton, de “Era Uma Vez em… Hollywood”, seu colega de cena chega ao Oscar com as duas mãos no troféu. Brad Pitt, que vive o dublê Cliff Booth, superou colegas do calibre de Al Pacino, Anthony Hopkins e Tom Hanks na temporada de premiações e já levou para a casa seis troféus. Se não sair com o prêmio da Academia, será uma frustração muito grande. 

Indicados

Al Pacino (“O Irlandês)

Prêmio: Hollywood Film Awards

Anthony Hopkins (“Dois Papas”)

Brad Pitt (Era Uma Vez em… Hollywood”)

Prêmios: National Board of Review; National Society of Film Critics Awards; Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Screen Actors Guild (SAG) Awards; British Academy Film Awards; 

Joe Pesci (“O Irlandês)

Prêmio: New York Film Critics Circle Awards

Tom Hanks (“Um Lindo Dia na Vizinhança”)

Filme

Dois filmes aparecem como os favoritos à premiação. O épico de guerra “1917”, com seu já lendário plano-sequência, e “Era Uma Vez Em… Hollywood”, que retrata uma época mais inocente da indústria cinematográfica. Apesar de chegarem empatados, com três prêmios cada um, a vantagem fica com “1917”, que levou para a casa o PGA, o prêmio do sindicato dos produtores, e vem crescendo na reta final, sendo constantemente apontado pela imprensa norte-americana como o grande favorito da premiação. 

Indicados

“1917”

Prêmios: Golden Globe Awards; Producers Guild of America (PGA) Award (prêmio de desempate); British Academy Film Awards (Bafta)

“Ford vs Ferrari”

Prêmio: Satellite Awards

“Jojo Rabbit”

“Coringa”

“Adoráveis Mulheres”

“História de um Casamento”

Prêmio: Gotham Independent Film Awards

“Era Uma Vez em… Hollywood”

Prêmios: Critics’ Choice Movie Awards; Golden Globe Awards; Satellite Awards

“Parasita”

Prêmios: Los Angeles Film Critics Association; Critics Awards

“O Irlandês”

Prêmios: National Board of Review; New York Film Critics Circle Awards

Fonte do link