O testemunho de uma favelada que morreu há 44 anos

Com seus cadernos sujos que catava no lixo e, sobretudo, seu talento nato para a escrita, Carolina Maria de Jesus entrou para o cânone da literatura brasileira

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários