Há 20 anos, Super Técnico deu visibilidade, uísque e cachê a treinadores



No final da década de 1990, em uma noite de pizza na casa do apresentador Fausto Silva, o empresário J. Hawilla (1943-2018) se encantou com as histórias de futebol contadas por Luiz Felipe Scolari, então técnico do Palmeiras. Na ocasião, o grupo Traffic havia acabado de assumir o departamento de esportes da TV Bandeirantes.

Hawilla, dono da empresa, e o diretor e produtor Hélio Sileman resolveram criar uma mesa-redonda com formato diferente: apenas com a presença de treinadores. A ideia era montar um cenário para deixá-los à vontade. Para isso, a direção providenciou um camarim com uísque e quitutes e pagamento de cachês de R$ 3.300 (R$ 11 mil, em valor corrigido pela inflação) por participação.
Leia mais (12/29/2019 – 02h00)

Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

vinte + onze =