Filho é o principal suspeito de ter matado e esquartejado a mãe na região de BH


A mulher encontrada esquartejada dentro de uma mala, sem cabeça e deixada em um terreno no bairro Canaã, na região Norte de Belo Horizonte, divisa com Santa Luzia, pode ter sido morta pelo próprio filho, de 30 anos. Ela se chamava Rizomar Ribeiro da Silva Ferreira e tinha 53 anos.

De acordo com fontes policiais, uma carta do suspeito foi encontrada junto aos objetos deixados com o corpo. Com o nome do homem, os policiais chegaram até o endereço onde ele havia morado de aluguel, no bairro Asteca, em Santa Luzia, na região metropolitana da capital. Como não morava mais no lugar, foram os vizinhos do suspeito que indicaram aos policiais onde a mãe dele (encontrada morta) morava. 

Dando continuidade às buscas, os policiais chegaram na casa da mulher e a mãe dela (avó do suspeito), que morava nas proximidades, disse que ela não estava. Paralelamente às investidas para encontrar o suspeito, a polícia teve acesso às imagens de câmeras de segurança de estabelecimentos próximos ao local da desova do corpo e conseguiram identificar a Saveiro vista deixando a mala e objetos com o corpo, no bairro Canaã. 

Os policiais seguiram até onde mora o dono do veículo, e ele confirmou que esteve no local, porém, foi por um carreto solicitado por um homem que morava no mesmo bairro do filho da mulher morta. O dono do carro conduziu os policiais até a casa da mãe do suspeito, também no bairro Asteca, em Santa Luzia, e lá encontraram o suspeito.

De acordo com fontes policiais, o homem parecia estar drogado ou ser portador de deficiência mental. O suspeito tem passagem por estupro de vulnerável, em 2012, e chegou a ficar preso pelo crime.

Ele estava aparentemente confuso quando a polícia chegou ao local. Perguntado onde estava sua mãe, ele disse que ela foi fazer uma viagem. Familiares da mulher morta reconheceram as roupas, mala e objetos encontrados no local.

Segundo moradores próximos à casa da mãe do suspeito, local onde ele estava, o homem teria problemas mentais. Ele não morava com a mãe, mas residia no mesmo bairro.

Até às 23h policiais estavam na casa da mãe do suspeito e aguardavam a chegada da Polícia Civil. No local, havia vestígios de sangue, ainda conforme policiais, mas, a situação da casa só poderia ser verificada após a chegada da perícia.

A Polícia Civil deve dar uma coletiva de imprensa neste sábado (25) para apresentar o suspeito do crime e falar sobre o caso.

Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

catorze − 11 =