Covid: UFMG volta à etapa zero e suspende atividades presenciais por 15 dias


A Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) informou que a partir da próxima segunda-feira (15) vai voltar à etapa zero do Plano para o retorno presencial. Isso significa que todas as atividades que não eram adaptadas ao modo remoto, e que estavam ocorrendo nas dependências da instituição, serão suspensas. A medida terá duração de duas semanas. Apenas os serviços essenciais para o enfrentamento da pandemia e de manutenção serão presenciais. 

“Tal medida se faz necessária para proteger vidas e colaborar com o esforço coletivo pela saúde, em uma atitude de respeito e solidariedade, quando a circulação de pessoas em espaços e transportes públicos precisa ser limitada ao mínimo estritamente necessário. Seguimos acompanhando rigorosamente o cenário epidemiológico em Belo Horizonte e em Montes Claros. Esperamos poder retornar à etapa 1 com maior segurança, o mais breve possível, considerando a relevância de todas as atividades desenvolvidas na UFMG”, justificam a reitora Sandra Regina Goulart Almeida e o vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira em nota encaminhada à comunidade nesta sexta-feira (12).

No documento, os gestores reforçam que, neste momento da crise sanitária, é importante seguir todas as recomendações para evitar o contágio pela Covid-19. Distanciamento social, uso de máscara e higienização das mãos são algumas dessas regras de proteção.

Desde março, o ensino na UFMG está acontecendo de forma remota. Porém, algumas atividades estão liberadas presencialmente.

Vacinação

Na nota, a reitora e o vice-reitor também destacaram que a UFMG está contribuindo com o processo de vacinação em Belo Horizonte, colocando o campus Pampulha à disposição das autoridades locais para a criação de postos de drive-thru. “Infelizmente, as vacinas ainda estão escassas, e nos cabe zelar pelo respeito à prioridade estabelecida, que visa, neste primeiro momento, preservar a capacidade dos serviços de saúde, evitar mortes por desassistência e atender aos mais vulneráveis”, ressaltaram.

Retorno das aulas

Anunciado em setembro, o plano de retorno prevê quatro etapas (0 a 3) de evolução do retorno presencial das atividades não adaptáveis. Cada etapa é definida pelo número máximo de pessoas (servidores, estudantes e trabalhadores terceirizados) que circulam na unidade simultaneamente, representando um teto de ocupação para cada setor ou espaço físico. 

Na etapa 1 (estágio em que a UFMG se encontra até o momento), o teto de ocupação é de 20%. Na segunda etapa, o limite deverá subir para 40%. Para isso, será necessário que a cidade esteja em alerta verde, no mínimo, há dois meses e que não tenha ocorrido surto da doença na UFMG.

O aumento gradual das atividades presenciais até o retorno pleno – etapa 3 – estará condicionado ao controle da pandemia ou à existência de vacina eficaz e disponível para ampla cobertura da população.

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários