Coronavírus: Aproveite a quarentena para ir à cozinha


Desde a recomendação de que a população fique em casa para conter o avanço do coronavírus e com os estabelecimentos obrigatoriamente fechados, a chef Agnes Farkasvolgyi dedica-se a duas empreitadas. A primeira é A Casa da Agnes, seu novíssimo restaurante, inaugurado neste mês em BH, que está operando somente via delivery. No intervalo dos pedidos, entre o almoço e o jantar, a chef dedica-se também a gravar vídeos diretamente de sua cozinha ensinando receitas fáceis, práticas e que ajudam adultos e crianças a enfrentarem  o isolamento. 

“Estou impressionada como as visualizações são altas nos vídeos que publico. Sei que todo mundo está em casa neste momento, mas existe uma interação muito legal. Tem muita mãe mandando foto com os filhos na cozinha fazendo as receitas que ensino e pessoas que estão tomando gosto pela cozinha”,  contou ela.

Chefs e páginas na internet dedicadas à gastronomia estão empenhados em produzir conteúdo online durante o período de quarentena para evitar o aumento da pandemia. Os conteúdos são diversos. Há receitas saudáveis simples feitas com ingredientes básicos e pensamos para quem não tem muita intimidade com as panelas e outras, inclusive, feitas com insumos que reforçam a imunidade nesse período.

Larissa Januário, do Sem Medida, selecionou várias dicas de quarentena, como práticas para fazer mercado com consciência bem como receitas fáceis para manter a imunidade alta. A chef Rita Lobo criou conteúdos diários para ensinar receitas ao vivo e falar sobre alimentação.

Para te ajudar nesse momento, reunimos perfis de gastrônomos de Belo Horizonte que criaram conteúdos especiais para incentivar os iniciantes a irem para a cozinha e aos familiarizados a serem mais criativos nos preparos. De alguma forma, ir para a cozinha é uma forma de distração e autocuidado nos dias de isolamento.

Degustação de queijos

Especializado em queijos, o jornalista gastronômico Eduardo Girão dá continuidade ao seu trabalho de degustações comentadas e criou a série online #umqueijopordia. Pelo seu perfil no Instagram, o jornalista faz transmissões ao vivo diariamente e responde dúvidas sobre o queijo escolhido.  “Sento diante do celular e degusto um queijo ao vivo, comentando sobre a origem do produto, quem é o produtor, o modo de produção, características sensoriais e possibilidades de harmonização”, contou. O queijo escolhido e degustado do dia vai diretamente para o feed do instagram com uma ficha técnica básica e o contato do produtos. “É uma forma de estimular o consumo de queijos de produtores pequenos e locais em tempos de quarentena”, finaliza.

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

No episódio de hoje da série #umqueijopordia, que eu e @degirao criamos para esses tempos de quarentena, me debrucei sobre os queijos de cabra da @dchevre. O produtor, Alisson Hauck, está num sítio em Ouro Branco, a cerca de 100 quilômetros de BH. Ele produz quatro variedades, três das quais degustei ao vivo diante da câmera do meu celular e na ordem que segue: Balido (uma espécie de camembert de cabra, com aroma de cogumelo na casca, recoberta de mofo branco), Alvura Negra (o melhor deles, em formato de tronco e com camadas de carvão e mofo branco; equilibrado e muito prazeroso) e Azul D’Chèvre (piramidal, com diversos mofos espontâneos por fora e mofo azul por dentro; o mais complexo deles). Em todos, como se percebe, há presença de fungos e além de impactar no sabor, eles também transformam a consistência do queijo, que geralmente começa a amolecer de fora para dentro com a quebra de moléculas de proteína e gordura. É isso que dá a certos queijos aquele aspecto de massa amolecida ao redor de um miolo firme. Aproveitando a deixa, falei sobre modos de servir queijo e fracionei alguns deles com o protótipo de cortador que o talentoso artesão da madeira André Pires, do @artedovo, está desenvolvendo com minha colaboração. Daqueles cujo fio de metal a gente puxa sobre o queijo para cortá-lo – funciona super bem para queijos macios, mais moles e untuosos. Amanhã, seguirei comendo queijo ao vivo. É preciso seguir compartilhando informação de qualidade e estimulando o consumo de alimentos artesanais e de pequenos produtores locais. Força, gente! 🎥🧀

Uma publicação compartilhada por Eduardo Tristão Girão (@eduardotristaogirao) em 20 de Mar, 2020 às 11:10 PDT

Vegano também para crianças

Instigando pessoas a cozinharem receitas fáceis e práticas, a cozinheira Carolina Dini reforça ainda mais o incentivo de ir para a cozinha durante a quarentena. Focada em alimentos naturais e comida vegana a preço baixo, ela compartilha, em seu blog, receitas fáceis que podem ser feitas inclusive com as crianças, como mingau de aveia com coco e banana, barrinha de cereal e pão de milho. “Não é o melhor cenário para as pessoas se conectarem com a cozinha, mas tenho visto muita gente empenhada em cozinhar em casa, até por que não temos outra saída”, contou.

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Essa tal de auto honestidade é um estado-ser difícil de manter. Somos feitos de contradição, vestimos a capa do antagonismo e da dicotomia. Vivemos tão cheios do que Freud chama de “pulsão de morte”, ora querendo preservar a vida no sentido subjetivo, ora nos comportando como verdadeiros “demonhos”, apontando erros, sendo agressivos, esquecendo de lado a compaixão com quem está em nosso entorno, não perdoando. • Tenho que me relembrar todos os dias de não ignorar minhas dores e cultivar a dignidade nessa sociedade tão anestesiada, higiênica e cheia de avatares. • Primeiro passo creio que seja o tal do “reconhecer-me doente” para descer do altar de controlara e sempre mestra da minha própria vida. Só a meditação salva para não cair no fosso quando “cato cavaco” só de trupicar em pedra pequena, pois a vida é muito malabarista e fica brincando de jogar a gente de lá pra cá, cá pra lá… Talvez a solução mesmo seja medir nossas palavras (sempre tão fortes, sem volta!), enfrentar a nudez dos nossos comportamentos e questionar, questionar, questionar. • Mas sabe que o mais importante mesmo, chego aqui na conclusão derradeira, é um clichê que todo mundo sabe mas de vez em quando esquece: amar a pessoa que mais importa nesse mundão, nós mesmos, até nos dias em que não conseguimos admitir o que queremos. • Êta tarefinha difícil essa de não projetar nossas próprias dores, não terceirizar tarefas intransferíveis, não contaminar a experiência do outro, não proferir críticas destrutivas disfarçadas de reparo. Pior ainda só esquecer crenças negativas, auto-castrações, entender a diferença entre o isolamento egoísta e o silêncio interior, justificar menos e admitir mais, seguir e absorver. • Desejo, nesse dia sombrio (pelo menos do lado de cá), mais prana, mais verdade, mais construção e consequentemente mais alma lixada. O que realmente preciso? No que acredito? O que exerço? Sigamos. • Foto meramente ilustrativa de um dia feliz por @nanirodrigues

Uma publicação compartilhada por Cebola Na Manteiga (@cebolanamanteiga) em 12 de Fev, 2020 às 4:55 PST

 

Receitas ao vivo

A chef de cozinha Ana Jatobá, que também integra a equipe da cozinha do restaurante italiano Est! Est! Est! criou em seu perfil no Instagram a série “Quarentena com a Ana” em que ensina receitas práticas para o dia a dia. Toda semana, ela intercala preparos ao vivo com transmissão no Instagram e passo a passo de receitas no Stories. Nesta segunda-feira (23), Às 18h, ela vai ensinar massa artesanal de cenoura e beterraba. Os ingredientes já foram previamente divulgados para quem animar preparar ao vivo junto à chef.

 

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Da série: QUARENTENA COM A ANA 💜 Quem não gosta de uma boa massa artesanal, não e mesmo quarenteners? Amanhã às 18:00 estarei ao vivo ensinando uma bela massa de beterraba, e uma de cenoura! Tô esperando você pra gente cozinhar junto! . . . ⚠️Atencione quarenteners! Vou postar os ingredientes no STORIES.. . . . Vem pra #quarentenacomaana #cozinhadosquarenteners #cozinhapratica #culinaria #cozinharaiz #cozinhaafetiva #comidadeverdade #comidaafetiva

Uma publicação compartilhada por Ana Jatobá (@anajatoba_) em 22 de Mar, 2020 às 4:15 PDT

Um vídeo por dia

Todos os dias, a chef Agnes Farkasvolgyi posta, em seu perfil do Instagram, um vídeo em que ensina receitas práticas para ajudar durante o momento de isolamento. São ensinados preparos com insumos fáceis de serem encontrados em casa como, por exemplo, a rabanada feita com o pão que sobrou do dia anterior, molho de tomate básico para acompanhar massas diversas e panquecas ideais para fazer junto com as crianças em casa. O repertório de receitas da chef é imenso, retirado de mais de 30 anos de carreira e aulas ensinadas. “Para as crianças, cozinhar vai muito além. É possível reunir todas as disciplinas ensinadas no colégio. Na hora de fazer a panqueca, pode-se ter aula de matemática na hora de pesar as proporções dos ingredientes, tem química quando a massa vai ao fogo e o sentar-se à mesa, para comer, tem sociologia e ética. Cozinhar é um conjunto de várias coisas”, exemplifica.

 

 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Vamos fazer panquecas com as crianças ?

Uma publicação compartilhada por AGNES FARKASVOLGYI (@agnesfarkasvolgyi) em 17 de Mar, 2020 às 6:03 PDT



Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um + nove =