Conheça o Bom Retiro que vai além das compras e costura um caldo cultural descolado



Bem no meio da rua Três Rios, rodeado por casas que vendem tecidos, pê-efes tipicamente paulistanos -mas que servem yakisoba- e lojas de quinquilharias, um prédio guarda a Casa do Povo, centro que funciona como uma espécie de microcosmo do Bom Retiro.

A alguns dos moradores da região foram confiadas cópias da chave da porta de entrada do espaço, identificada nos cinco idiomas falados por lá. Do lado de dentro, um dia pré-pandêmico poderia reunir um coral em iídiche, costureiras de países latino-americanos, um grupo de estudos coreano-brasileiro e alunos de boxe da favela do Moinho.

Fundado em 1953 pela comunidade judaica que se mudou para o Bom Retiro após a Segunda Guerra -e que depois foi acompanhada por imigrantes de países como a Coreia do Sul e a Bolívia-, o centro integra uma lista com mais de uma dezena de equipamentos culturais que se espalham pela região.
Leia mais (07/29/2021 – 19h15)

Fonte do link

Compartilhe: