Com a saída de Petrix e a chegada de dois novos concorrentes, BBB 20 começa a cair na real



Foi uma cena digna de entrar para a história do Big Brother Brasil. Quando Tiago Leifert anunciou que o ginasta Petrix Barbosa era o eliminado do paredão quádruplo desta terça (4), caíram os queixos dos demais jogadores. Ninguém suspeitava que o macho mais alfa desta edição era tão impopular aqui fora. Imagine quando souberem que ele amealhou mais de 80% dos votos.

O choque de realidade prosseguiu com a entrada de dois novos participantes, Ivy e Daniel, escolhidos pelo público depois de passarem pela Casa de Vidro. Os novatos correram a dar notícias do mundo exterior aos veteranos. Agora, todos já sabem da campanha antiassédio que estourou nas redes sociais. Isso muda o jogo, é óbvio.

Na verdade, o chocante foi ninguém lá dentro ter percebido que Petrix era um alvo ambulante. Talvez não tenham ligado os pontos: Petrix apalpa os seios de Bianca + Petrix esfrega os genitais em Flayslane + Petrix atropela Pyong na corrida ao Big Fone.

Cada uma dessas faltas seria punível com expulsão, mas a Globo optou por manter Petrix no programa. Foi justo? Um problema que todo reality de confinamento enfrenta é a rápida eliminação dos vilões. Theo Becker foi ejetado logo o começo da primeira edição de A Fazenda (Record), em 2009, e o programa perdeu metade da graça. De um ponto de vista estritamente comercial é até compreensível que a emissora passe pano para os candidatos que movimentam a competição (mas não do ponto de vista moral, claro).
Leia mais (02/05/2020 – 13h30)

Fonte do link