Casal é suspeito de colocar fogo na casa de genro por não concordar com namoro


Um casal pode ter tentado acabar com o namoro da filha deles com o genro, de 20 anos, de forma nada convencional. O homem de 43 anos, padrasto da jovem, e a mãe dela, de 33, são suspeitos de incendiar a casa do próprio namorado da filha, no bairro Lagoa, região de Venda Nova, em Belo Horizonte. O crime foi na tarde da sexta-feira (1), enquanto o casal de namorados estava em uma festa de réveillon. Todos os eletrodomésticos, documentos e objetos pessoais da família onde o jovem morava com os pais foram consumidos pelo fogo.

Quem chamou os Bombeiros e Polícia Militar para atender a ocorrência foi a mãe do jovem. Aos policiais, a mulher, de 38 anos, contou que na tarde da sexta-feira (1) se deparou com os sogros do filho nas proximidades de sua residência. Ainda segundo a moradora, o casal disse que precisava conversar com ela e com o marido dela para tratar de um assunto referente ao relacionamento dos jovens, mas o que tinha para resolver, já tinha se resolvido.

Poucos instantes depois, ao chegar em casa, a mulher e o marido viram o imóvel em chamas. A moradora informou ainda aos policiais que a porta da casa estava arrombada e que não havia possibilidade de ter ocorrido curto-circuito porque todos os eletrodomésticos tinham sido desconectados da tomada.

O casal suspeito de cometer o incêndio foi localizado no bairro Santa Fé, em Ribeirão das Neves, região Metropolitana de Belo Horizonte, de acordo com a PMMG. Tanto o sogro, quanto a sogra do jovem negaram a autoria do crime.

Eles foram ouvidos pela Polícia Civil ainda na sexta-feira (1) na Deplan 4, no bairro Alípio de Melo, na capital. Os pais da jovem (que não teve idade revelada) foram liberados no mesmo dia e estão sendo investigados. A PCMG não informou se ouviu o casal de namorados (genro e filha do casal suspeito).

Tudo incendiado

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o imóvel foi totalmente consumido pelas chamas e a moradora foi orientada a não retornar para o local. A Defesa Civil foi acionada pelos Bombeiros e o imóvel foi temporariamente interditado. A Polícia Civil também fez trabalhos de perícias no local. O resultado da perícia da Civil sobre o incêndio ficará pronto em até 30 dias.

Amparados

De acordo com a Defesa Civil, após o atendimento inicial para verificar os riscos no imóvel, foi ofertado abrigamento público para a moradora e para sua família. A mulher recusou a hospedagem no abrigo e informou que iria para casa de um parente. A Defesa Civil informou ainda que a família recebeu cesta básica, cobertores, colchonetes e lençóis.

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários