Bioeconomia brasileira no centro do mundo

Em uma época de emergência climática, estamos vivenciando o surgimento de um novo mundo, que exige ações consistentes, claras e integradas entre países, empresas e sociedade, no sentido de criar soluções concretas para os desafios da construção de um futuro sustentável.

Nossos olhos para o amanhã, no entanto, não podem se descuidar das respostas fundamentais do agora, especialmente no Brasil, como os gritantes problemas da crise da pandemia, os crimes ambientais na região amazônica, a situação dos povos tradicionais que ali vivem, abaixo da linha da pobreza, e o imperativo da geração de emprego e renda para os brasileiros, principalmente os jovens.

O cidadão, que nasce nesta nova dinâmica planetária, ambientalmente mais consciente e preocupado com o futuro, exige ações. Por isso, a realização no Brasil da quarta edição do Fórum Mundial da Bioeconomia (World Bioeconomy Forum) não poderia ser mais emblemática e oportuna.

Após três edições na Finlândia, trabalhamos em conjunto para que o Brasil fosse o centro do debate de uma nova economia, mais verde e mais sustentável. É muito simbólico a Amazônia ser a sede do maior evento sobre bioeconomia do mundo. Face a uma imagem ambiental arranhada, esse gesto mostra que o País tem em seu DNA o protagonismo para liderar a discussão e, assim, traduzir potencial em ganhos para sua população.
Leia mais (02/06/2021 – 08h00)

Fonte do link

Compartilhe:

Comentários