Betim anuncia o fechamento do comércio não essencial


A Prefeitura de Betim, na região metropolitana, anunciou, nesta segunda-feira (8), o fechamento de todo comércio não essencial na cidade a partir de quarta (10) e válido por 15 dias. O anúncio foi feito pelo prefeito Vittorio Medioli (PSD), em suas redes sociais, em razão do número de casos do novo coronavírus. Até o momento, a cidade registrou 16 mortes (sendo de dois que aconteceram fora do município, em Belo Horizonte e em São Paulo) e 252 casos confirmados de Covid-19.

Na semana passada, a prefeitura já havia determinada a proibição de funcionamento de shoppings e academias, e, desde abril, bares também não podem abrir para evitar aglomerações.

“Eu peço muita compreensão. Nós fizemos tudo bem feito, tivemos a colaboração de quase todo mundo, mas é necessário um sacrifício, principalmente, com a chegada do inverno. Sempre falamos que esse período seria crítico, e a evolução no país está rápida, perto de 40 mil mortes. Nós temos que apertar agora, nesses dias, para termos um resultado. Todas as medidas para sensibilizar a população, como o uso e distribuição de máscara, álcool 70%, desinfecção de ruas, uso de tapetes sanitários, barreiras sanitárias, e várias outras ações. Todo esse esforço é para conter esse momento mais delicado. Retirando o fôlego da pandemia nesse momento teremos um quadro mais administrável. Por isso, a medida de fechar o comércio não essencial”, justificou.

Em março, a prefeitura determinou o fechamento do comércio na cidade para dar tempo de estruturar a rede de atendimento na saúde, como o Hospital de Campanha, com 120 leitos, e o centro materno-infantil, com 50 leitos de UTI. No dia 20 de abril, entrou em vigor a obrigatoriedade do uso de máscara na cidade e, dois dias depois, foi autorizada a abertura gradativa dos estabelecimentos, com regras rígidas de biossegurança para evitar a propagação da doença, assim como instalada de uma força-tarefa de fiscalização que já fiscalizou mais de 9.600 estabelecimentos desde então, com 528 fechados. Naquela época, a administração municipal explicou que, se fosse necessário fechar novamente o comércio por causa do aumento de casos do coronavírus, a decisão seria tomada.

 

(matéria em atualização)

Fonte do link