Bares, shoppings, museus e hotéis: veja o que muda na Onda Vermelha

[ad_1]

Abertura de bares, restaurantes e shoppings para atender presencialmente o público. Esses são alguns dos serviços liberados na Onda Vermelha do Minas Consciente. Nesta quinta-feira (15), o governador Romeu Zema (Novo) informou que 70% do Estado está liberado para deixar a Onda Roxa, a mais restritiva, e migrar de fase.

Com isso, os serviços essenciais são permitidos, desde que obedecendo várias regras sanitárias para impedir o avanço da Covid-19. Na Onda Vermelha, eventos com até 30 pessoas são permitidos. Além disso, hotéis e atrativos culturais e naturais também podem funcionar.

“Conforme última atualização do Plano Minas Consciente, todas as atividades poderão funcionar durante as ondas vermelha, amarela e verde”, explicou o governo. O que muda são as regras de distanciamento em cada onda, sendo mais ou menos restritivas. “As medidas de higiene e de distanciamento são as principais armas para o enfrentamento ao contágio por Covid-19, enquanto a imunização não estiver difundida na sociedade”, frisou o Estado.

Regras

Na Onda Vermelha, todo o comércio, como lojas e bares, pode funcionar desde que obedeça a distância linear de 3 metros entre cada pessoa e a capacidade máxima de 10 metros quadrados por cada pessoa. Além disso, serviços não essenciais devem limitar um cliente por atendente. Nos hotéis e atrativos culturais e naturais, o limite de ocupação passa a ser de 50%.

Apesar do afrouxamento nas medidas de isolamento, o Estado frisou que a Onda Vermelha não é obrigatória, ou seja, cada município tem autonomia para decidir se reabre ou mantém os estabelecimentos fechados. Na Onda Roxa, a adesão era obrigatória.

Além do distanciamento, outras regras são recomendadas na Onda Vermelha.

• Priorizar o teletrabalho aos funcionários;
• Proibir o auto atendimento pelo cliente (self service);
• Realizar atendimento somente mediante agendamento (serviços e atendimentos pessoais);
• O cliente deve ser questionado previamente (de preferência ao telefone, quando for marcar seu atendimento), se apresenta sintomas respiratórios, se está em isolamento ou quarentena em decorrência do Covid-19 e, em caso positivo, não poderá ser atendido;
• Realizar aferição obrigatória de temperatura de funcionários e clientes, com restrição de entrada em caso da temperatura aferida ser superior a 37,5º. Os acompanhantes, independentemente da temperatura, também estarão sujeitos à restrição de entrada;

Onda Vermelha

A medida vale a partir de sábado (17) para as macrorregiões Norte, Sul, Sudeste e Jequitinhonha, além das microrregiões de Betim, Belo Horizonte/Nova Lima/Caeté, Vespasiano, Contagem, Curvelo e Manhuaçu – todas na região metropolitana da capital. As regiões Triângulo Norte, Triângulo Sul e Noroeste já estavam na Onda Vermelha desde a última semana e permanecem nesta fase.

“Obtivemos melhorias de indicadores, o que possibilitou as decisões técnicas por parte da Secretaria de Saúde. Mas é preciso lembrar que estamos longe de ter conforto. Ainda temos um sistema hospitalar sobrecarregado, os profissionais de Saúde estão cansados e as vagas são poucas. Por isso precisamos tomar todos os cuidados para evitar a transmissão do vírus. Dobramos o número de leitos de UTI e de Enfermaria em Minas Gerais, mas o aumento de casos nessa segunda onda exige toda cautela”, afirma o governador Romeu Zema

Fonte do link

[uam_ad id="6960"]