Assessor de Bolsonaro diz que Itamaraty era escritório da ONU e gera mal-estar



Em mais uma manifestação do bolsonarismo que gerou mal-estar entre diplomatas, o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins, afirmou que o Itamaraty “funcionava como um escritório avançado da ONU” antes da eleição de Jair Bolsonaro.

A afirmação foi feita por Martins a seu padrinho no governo, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente mais afeito a questões internacionais -é presidente da Comissão de Relações 
Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados.

Eduardo tem um programa de entrevistas no YouTube. No sábado (22), ele dedicou quase uma hora para Martins expor o que considera “o redesenho da política externa”, que para o assessor “não 
era distintamente brasileira”.

O deputado quis dar um apoio moral ao amigo, uma vez que as funções de Martins foram retiradas da assessoria direta do presidente e subordinadas à Secretaria de Assuntos Estratégicas, chefiada pelo almirante Flávio Rocha.

O esvaziamento, cujo efeito ainda é incerto, faz parte da ampliação da influência da ala militar do governo, em detrimento do grupo ideológico no poder -pontificado por seguidores do escritor Olavo de Carvalho, como Eduardo, Martins e os ministros Ernesto Araújo (Itamaraty) e Abraham Weintraub (Educação).

O vídeo circulou entre diplomatas, gerando um misto de consternação e de chacota -há confusão de conceitos e contradições nas falas.

“Tínhamos uma orientação política que levava nosso corpo diplomático a atuar muito alinhado aos cânones globalistas, com aquilo que era decidido nas agências internacionais e não tinha a ver com nossos valores”, disse Martins.
Leia mais (02/24/2020 – 20h36)

Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

um × 5 =