A Folha entre nós



Existem alguns momentos cruciais nas relações, entre eles aquele no qual se decide juntar as escovas de dentes. A operação envolve tanto questões afetivas quanto logísticas. No meu caso, por exemplo, passou pela decisão de interromper ou não a assinatura da Folha de S.Paulo. Se íamos morar juntos, seria bizarro receber dois exemplares do mesmo jornal todo dia. Mas quem abriria mão? Ele alegava ser assinante há mais tempo, 30 anos, o que o fazia se sentir praticamente da família Frias. Eu o era há menos tempo, mas queria continuar sendo. Afinal, o namoro podia não dar certo, mas a Folha sempre seria a Folha. Para encurtar a história, continuei assinando, o que demonstra que ele é o mais generoso da relação.
Leia mais (02/22/2021 – 18h00)

Fonte do link