A cruel estabilidade da Covid-19 no Brasil: 4 milhões de casos e 124,6 mil morto


Nesta quinta-feira (3), o Brasil atingiu a marca de 4 milhões de pessoas infectadas pelo coronavírus, cinco dias após superar os 120 mil mortos pela pandemia da Covid-19. Conforme atualização do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, o país soma 4.041.638 casos confirmados e 124.614 vidas perdidas. Nas últimas 24 horas, foram registrados 43.773 infecções e 834 óbitos. Em estado de “platô” – termo usado pelos técnicos da pasta para se referir à estabilidade no avanço dos números, que seguem altíssimos – o Brasil vem saltando posições em rankings mundiais que analisam o progresso da doença no globo. 

Só nos três primeiros dias de setembro, de acordo com os dados coletados pelo portal Our World In Data, o país, que soma 209,5 milhões de cidadãos, pulou de 10º mais afetado em relação ao número de óbitos por milhão de habitantes para 8º – existem 582,33 vidas perdidas para cada um milhão de pessoas que vivem em território brasileiro. Há um mês, o país ocupava a 12ª posição. Excluindo-se da lista os países Andorra e San Marino, que não têm 1 milhão de habitantes, o Brasil é o 6º em número de mortes por milhão de habitantes. 

Em relação ao número de casos por milhão de habitantes, o país é o 7º no mundo e, há um mês, era o décimo – são 18,8 mil casos para cada 1 milhão de brasileiros, e doença já atingiu quase 2% da população. Apesar de, em números absolutos o Brasil ser o segundo mais atingido pela pandemia no globo, atrás apenas dos Estados Unidos, em números por milhão de pessoas o país ultrapassou os EUA em ambos índices. Em 28 de agosto, o de casos e, em no dia 20 daquele mês, o de mortes. 

Em 62 dias, o número de vidas perdidas para a pandemia dobrou no Brasil – havia 61.844 óbitos no último 3 de julho e, nessa quarta-feira, 123.780. Do somatório, 63,3% dos falecidos tinha pelo menos um fator de risco, o que quer dizer que, ao menos, 78,3 mil pessoas sem quaisquer comorbidades anteriores à infecção foram mortas pela Covid-19, 

Todavia, de acordo com o informe detalhado semanal divulgado pelo Ministério da Saúde nessa quarta-feira (2), o Brasil parece ter atingido uma estabilidade no avanço da doença, mesmo que os números continuem altos. 

Entre as semanas epidemiológicas 34 e 35 (confira aqui o calendário), o aumento no número de casos ficou estável, flutuando um ponto percentual negativo. Por outro lado, a quantidade de mortes caiu 11%. Em média, na semana passada, foram registrados 887 óbitos e 37.684 novas infecções por dia no país. 

Porém, situação não é uniforme nas macrorregiões do Brasil. Regiões Sul e Centro-Oeste tiveram os maiores avanços, enquanto outras regiões se mantiveram estáveis ou registraram queda. 

Variação de casos de Covid-19 e mortes por coronavírus por região do Brasil entre as semanas epidemiológicas 34 e 35:

Norte

  • Casos: -5%
  • Óbitos: -11%

Nordeste

  • Casos: +1%
  • Óbitos: -12%

Sudeste

  • Casos: -8%
  • Óbitos: -8%

Sul

  • Casos: +15%
  • Óbitos: -16%

Centro-Oeste

  • Casos: +5%
  • Óbitos: -18%

Homens negros morrem cada vez mais no Brasil

O perfil demográfico das vítimas da Covid-19 no Brasil é majoritariamente composto por homens, negros e pessoas pobres. Em relação à cor da pele, a situação vem se agravando para a população negra nos últimos meses. Em julho, 40,4% das vítimas da doença eram pretas ou pardas. 

Nessa quarta, o percentual avançou para 42%. O mesmo ocorre em hospitalizações por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) causada pelo coronvírus – em julho 36,5 das pessoas internadas eram negras e, no dado mais recente, a taxa saltou para 38%. 

Perspectiva de vacinação

Em coletiva nessa quarta-feira, técnicos do Ministério da Saúde afirmaram que, caso a “vacina de Oxford” seja aprovada, e, o acordo técnico entre o Brasil e a universidade, mantido, há expectativa de que a meta de cobertura vacinal para o coronavírus seja atingida no segundo semestre de 2021. A pasta usa, como base para determinar o percentual da população que deve ser vacinado, as taxas da influenza, que giram em torno de 90% de meta de imunização.

Há perspectiva de que 100 milhões de vacinas sejam entregues até o primeiro trimestre do ano que vem, como parte do acordo. O restante deve ser produzido pela Fiocruz que, segundo a pasta, teria capacidade de fabricar entre 30 milhões e 40 milhões de doses por mês. Os estudos mais recentes indicam que duas doses devem ser necessárias para garantir a imunização dos pacientes. 

Mais de 100 dias sem ministro da Saúde

Após a guerra pública travada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-ministro Henrique Mandetta, e a breve estadia de Nelson Teich na chefia da pasta, o general Eduardo Pazuello assumiu interinamente o comando do ministério no último 16 de maio. 

Nesta quinta-feira, somam-se 110 dias que o Brasil não tem um líder definitivo na pasta – coisa que, segundo o chefe do Executivo declarou há um mês, “deve se manter por muito tempo”.

Bolsonaro elogia a própria gestão

Nas últimas semanas, o presidente Jair Bolsonaro – que contraiu a Covid-19 e se curou – tem circulado o Brasil, encontrado com apoiadores, e participado de eventos. Nesta quinta-feira pela manhã, ele esteve na cerimônia de apresentação do projeto de uma ponte em Eldorado, interior de São Paulo. 

“Desde o começo assumi posição ímpar, não só dentro do Brasil, mas como chefe de Estado no mundo todo. Não vi um chefe de Estado tomar uma decisão como a minha”, afirmou Bolsonaro, elogiando a própria gestão durante a pandemia.

Podcast Tempo Hábil Entrevista: Pandemia mudou a forma como brasileiros se alimentam
 

Apesar de as manchetes internacionais irem em desacordo com os encômios ao espelho do presidente, a popularidade dele aumentou durante a crise.

Segundo a última pesquisa do Datafolha, realizada entre 11 e 12 de agosto, a popularidade do chefe do Executivo atingiu o maior patamar desde o início do mandato – 37% dos brasileiros consideram o governo como bom ou ótimo, ante 32% no estudo anterior.

Graças que coincidem com a implementação do auxílio emergencial de R$ 600, que o presidente prorrogou nesta quinta-feira até 31 de dezembro, com a metade do valor.

Maior cuidado, menor apoio

O Datafolha relaciona, inclusive, os cuidados da população com a pandemia ao apoio ao presidente Jair Bolsonaro. Dos que afirmaram viver “normalmente”, sem mudanças na rotina devido ao coronavírus, 53% aprovam a gestão do ex-capitão do Exército. 

“A maior queda (de aprovação), de 51% para 43%, foi registrada justamente no grupo que está saindo somente quando é inevitável, formado por pessoas que tendem a reprovar em maior grau o governo do atual presidente”, diz um trecho da pesquisa.

Mundo

Há 26,1 milhões de casos confirmados da Covid-19 no mundo e quase 865,2 mil mortos. Os Estados Unidos lideram o ranking da universidade Johns Hopkins em relação aos números absolutos – 6,1 milhões de infecções e mais de 186,4 mil óbitos. O Brasil continua na segunda posição na lista da instituição.

Termômetro da Covid-19

var divElement = document.getElementById(‘viz1597247460844’); var vizElement = divElement.getElementsByTagName(‘object’)[0]; if ( divElement.offsetWidth > 800 ) { vizElement.style.minWidth=’260px’;vizElement.style.maxWidth=’460px’;vizElement.style.width=’100%’;vizElement.style.height=’927px’;} else if ( divElement.offsetWidth > 500 ) { vizElement.style.minWidth=’260px’;vizElement.style.maxWidth=’460px’;vizElement.style.width=’100%’;vizElement.style.height=’927px’;} else { vizElement.style.minWidth=’260px’;vizElement.style.maxWidth=’460px’;vizElement.style.width=’100%’;vizElement.style.height=’927px’;} var scriptElement = document.createElement(‘script’); scriptElement.src = ‘https://public.tableau.com/javascripts/api/viz_v1.js’; vizElement.parentNode.insertBefore(scriptElement, vizElement);

Entenda o gráfico

O “Termômetro da Covid” apresenta a evolução da média móvel de novos óbitos e casos confirmados nos últimos sete dias, e tem como parâmetro de comparação os mesmos dados registrados há duas semanas.

Se a média de hoje superar em mais de 15% o valor de duas semanas atrás, então a situação observada é de crescimento acelerado. No outro oposto, uma redução superior a 15% representa desaceleração. Se a variação for de até 15% para mais ou para menos, a média se encontra em um nível de estabilidade.

O uso da média móvel se justifica pela grande oscilação das notificações entre os diferentes dias da semana. Ela fica muito clara quando se observa a queda durante fins de semana e feriados, por exemplo. Desta forma, a média mostra tendências mais consistentes.

Já a janela de duas semanas para comparação se explica pelo tempo médio de ação do vírus e pela demora no processamento de exames e na divulgação dos resultados nos sistemas oficiais utilizados pela Secretaria de Estado da Saúde.

Esta é a mesma metodologia utilizada, por exemplo, pelo jornal The New York Times.

Os dados são provenientes dos boletins epidemiológicos da secretaria e referem-se aos municípios de residência dos pacientes. Isso explica eventuais números negativos, uma vez que os casos podem ser revisados ou “transferidos” de cidade.

Fonte do link

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 × 4 =